Siga-nos

Perfil

Expresso

A Tempo e a Desmodo

Odeia Israel e sê um ser humano fofo: os cinco passos

Henrique Raposo (www.expresso.pt)

1. Odiar Israel é a primeira porta da superioridade moral. Se queres sentir aquela sensação pungente que acompanha o nariz empinado, se queres decorar o teu espelho com a legenda "puxa, sou mesmo um ser humano espectacular", então só tens de odiar Israel com todas as tuas forças. Isso garante a entrada em todos os clubes de seres humanos fofos e superiores. Se possível, deixa acumular aquelas pocinhas de cuspo no canto da boca, porque isso dá um ar realista à coisa.

2. Odiar Israel implica recusar fazer críticas políticas e concretas a Israel. Isso seria o mesmo que aceitar o direito à existência deste estado neo-nazi-neo-colonial-neo-liberal-neo-qualquer-coisa. Isso seria o mesmo que desenvolver um pensamento político, e isso não vende. O nosso negócio não é a realidade política, mas a teologia do ódio, a negação ontológica, o escarro. 

3. Odiar Israel implica recusar a própria geografia. Sim, Israel não está rodeado por Bélgicas fofas e Luxemburgos felpudos, mas nada disso interessa. A geografia é reacionária. O Hamas e seus amigos da zona querem provar que os judeus não sabem nadar, mas isso é irrelevante. Eles que arranjem barquinhos de borracha. 

4. Odiar Israel implica desprezar a cronologia. Ou seja, depois de recusares o espaço, tens de recusar o próprio tempo. Os rockets do Hamas aparecem sempre, mas sempre mesmo, depois dos raides dos F-16 judeus, perdão, israelitas. Lembra-te sempre de uma coisa: a cronologia é uma coisa feia, quiçá fascista.

5. Odiar Israel implica desconhecer por completo as dores da sociedade israelita. Só podes ver vídeos dos efeitos colaterais dos ataques israelitas. Não podes sentir a angústia dos judeus do sul de Israel. Aliás, essa angústia é uma treta, porque toda a gente sabe que o Hamas não tem pontaria. Sim, o Hamas tem o objectivo claro de matar civis, mas aqueles rockets nunca acertam em nada. Os islamitas são pitosgas, excepto quando decoram autocarros ou arranha-ceús com uma pintura nova. E tu, como ser humano fofo e superior, tens sempre de proteger os coitadinhos e os pitosgas.