Siga-nos

Perfil

Expresso

A Tempo e a Desmodo

Não temos de pagar as contas do FC Porto

Henrique Raposo (www.expresso.pt)

O Sócrates de Gaia, Luís Filipe Menezes, mergulhou a Câmara de Vila Nova de Gaia num mar de dívidas que outros terão de pagar, porque agora o senhor quer ir endividar a Câmara do Porto. Como é que Menezes legou à posteridade esse mar de dívidas? Através do seu magnífico olho para a coisa pública, bem visível no seguinte negócio: por apenas 500 euros por mês, o FC Porto garantiu (e garante) o direito de usar um centro desportivo completamente novo, o Centro de Estágio do Olival. A construção deste complexo desportivo foi financiada pela Fundação PortoGaia, uma daquelas fundações fundamentalíssimas para o bem-estar da pátria. Em 1999, a PortoGaia foi constituída pela Câmara de Gaia, pelo FC Porto e, repare-se, pela empresa municipal Águas de Gaia. Para que serve uma empresa pública de águas? Para fazer relvados e balizas, pois claro. Segundo a revista Sábado, esta fundação recebeu 4,2 milhões de euros de apoios públicos entre 2008 e 2010, e Pinto da Costa era o seu presidente, apesar de o FC Porto deter apenas 0,8% da instituição. Moral da história? Através do sistema de financiamento das fundações e/ou através da Câmara de Gaia, nós, os contribuintes, oferecemos um complexo desportivo ao FC Porto.

Só espero que o Benfica não tenha beneficiado de semelhantes negócios no Seixal. Se quer dinheiro, o meu clube não deve andar a bater à porta dos fundos do contribuinte, só tem de falar com os sócios e apoiantes.